Turbinas eólicas em alto mar podem diminuir intensidade de furacões

Mark Jacobson, engenheiro ambiental e professor da Universidade de Stanford, realizou uma pesquisa que aponta que as turbinas eólicas instaladas em alto-mar são capazes de proteger as cidades da ação arrebatadora dos furacões que surgem no oceano, uma vez que as torres são resistentes e aproveitam a força dos ventos  para gerar mais energia.

Baseado em seus experimentos, o especialista afirma que, se houvesse um grande parque eólico na costa dos EUA, seria possível reduzir por mais de 70% a intensidade do furacão Katrina em 2005. Assim, Jacobson mira os parques eólicos offshore (localizados na costa) como eficientes barreiras contra os eventos climáticos extremos. “Com a aproximação dos furacões, as cidades teriam ventos mais brandos e tempestades menos severas”, explicou o professor ao jornal norte-americano The Huffington Post.

Para chegar à conclusão, o estudo demandou uma simulação com 70 mil torres eólicas, instaladas a 100 quilômetros da costa sudeste de Nova Orleans, nos EUA. Capazes de gerar uma carga de 300 gigawatts de energia, as turbinas conseguiram reduzir com eficiência a intensidade de uma forte tempestade, permanecendo incólumes à passagem do fenômeno climático.

Segundo Jacobson, os parques eólicos em alto-mar têm altos custos de implantação, mas, além de serem fontes de geração de energia limpa, também previnem os estragos causados pelos fenômenos naturais. Através de simulações, o estudo concluiu que seria possível gerar uma quantidade de 0.45 terawatts de eletricidade limpa ao evitar os efeitos catastróficos da passagem do Katrina. O parque eólico também conseguiria reduzir em 21% a intensidade do furacão Sandy, que atingiu parte da América Central e da costa leste dos EUA em 2012.

 

Fonte: http://ciclovivo.com.br

 

Anúncios

Copenhagen Wheel: a roda que transforma bicicletas comuns em híbridas em poucos segundos

“Vamos de bicicleta?” – a pergunta leva a uma viagem mental do caminho que será percorrido. O ciclista eventual terá duas preocupações principais em mente: segurança das vias e inclinação das ladeiras do caminho. Enquanto a seguridade para ciclistas ainda é um percurso longo a ser percorrido pelas grandes cidades brasileiras, a dificuldade para encarar as ladeiras pode ser sanada com a ajuda de uma bicicleta elétrica, cujo motor pode ser acionado na subida.


Copenhagen Wheel vem aí para dar mais um empurrão (real e metafórico) àqueles que querem adotar a bicicleta como meio de locomoção. Ela está sendo desenvolvida pelo Massachusetts Institute of Technology SENSEable City Laboratory (também chamada de Superpedestrian). Aparentemente, ela é uma roda normal, porém com uma bola vermelha no centro do aro. É nessa bola que mora a tecnologia. Controlada por um aplicativo de celular e pelo próprio movimento do ciclista, ela detecta quando as pedaladas ficam mais difíceis (quando subimos uma ladeira, por exemplo) e inicia o motor (localizado na própria roda) para ajuda-lo automaticamente. Então, quando o ciclista freia ou desce uma ladeira, o sistema instalado dentro da bola captura a energia dissipada e recarrega sua bateria, o que torna desnecessário o momento de carregar o motor em uma tomada, por exemplo.

A instalação da roda pode ser feita em qualquer bicicleta de mesmo aro – bastam dois parafusos e a instalação do aplicativo que a acompanha. O aplicativo é feito em plataforma aberta para outros programadores contribuírem com o produto. E além de controlar o “peso” máximo das pedaladas na subida, ele pode orientar os melhores caminhos pela cidade, por exemplo.

A Superpedestrian recebeu esta semana 2,1 milhões de dólares para colocar a Copenhagen Wheel em ponto de produção – eles esperam disponibilizá-la no mercado em 2 meses, perto do Natal.

Veja o vídeo AQUI.

 

Fonte: http://www.programadavinci.com.br/

 

VOCÊ SABIA? Venda de bicicletas supera a de carros novos em quase todos os países da Europa

Uma pesquisa realizada em diferentes locais da Europa comparou o número de vendas de bicicletas em comparação com o número de vendas de carros novos, em 2012. O estudo, divulgado pela organização NPR, mostrou que na maioria dos países — menos em Luxemburgo e Bélgica — as bikes estão na frente dos automóveis.

Na Itália, por exemplo, as vendas de bicicletas superaram as de carros novos pela primeira vez desde a II Guerra Mundial. Em parte, a queda no número de automóveis comercializados pode ser explicada pela recessão que atinge vários países da Europa desde 2008 e diminuiu o poder de compra da população.

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br